Energia solar nos estádios da copa – Parte 1

O Estádio Governador Magalhães Pinto – ou “Mineirão” – inaugurado em maio de 2013, foi o primeiro a possuir uma usina solar visando à sustentabilidade econômica, ambiental e social.,

A Usina Fotovoltaica do Mineirão,  tem uma potência instalada de 1,42 MWp, com cerca de 6.000 módulos fotovoltaicos, sendo que toda a energia gerada será injetada na rede de distribuição da Cemig. A usina começou a ser montada em dezembro do ano passado, com os trabalhos de preparação e impermeabilização da cobertura para a montagem das estruturas metálicas de suporte das placas fotovoltaicas.

Na cobertura do Mineirão há 88 segmentos, dispostos de forma radial, e neles estão as placas solares. Esta instalação vai produzir cerca de 80% de toda a energia elétrica que o estádio vai consumir. É o suficiente para abastecer, a cada dia, mil e duzentas residências de porte médio. Como durante o dia o consumo no estádio é pequeno, a energia que sobrar vai para a rede de abastecimento da cidade. E em dias de jogos, principalmente à noite, a rede devolve a energia ao estádio. Toda a energia gerada será injetada na rede de distribuição da Cemig por meio da subestação de alimentação do estádio, sendo que 10% vão retornar à Minas Arena e será utilizada dentro do Mineirão.

Já a implantação da USF Mineirinho, que terá uma potência de 1,1 MWp, está em processo de elaboração de edital. Os empreendimentos fazem parte do Projeto Minas Solar 2014 da Cemig. A iniciativa de se instalar uma central geradora de energia a partir dos raios do sol no Mineirão e no Mineirinho foi inspirada nos estádios de Freiburg, considerada a capital solar da Alemanha, de Berna, na Suíça, e nos estádios solares construídos para a Eurocopa 2008.

O projeto, que recebeu um apoio significativo da Alemanha com empréstimos a juros baixos e serviços de consultoria, faz parte da Temporada da Alemanha no Brasil no setor de "desenvolvimento sustentável".

Ações sustentáveis

Durante a obra, cerca de 75.000 m³ de concreto foram britados e reutilizados para pavimentação de ruas de municípios vizinhos. Cerca de 250.000 m³ de terra foram aproveitadas em recuperação de áreas degradadas em cavas de mineradoras na Região Metropolitana e em outras obras do Estado.

Mais de 50 mil cadeiras foram doadas para ginásios e estádios do interior do Estado e toda a sucata metálica foi destinada para usinas recicladoras. Estima-se que 18 mil metros quadrados de grama foram replantados no Plug-Minas, na capital, com economia de R$ 130 mil para o Estado.

Além disso, foram implantados lava rodas para limpeza dos caminhões na saída da obra para evitar sujeira no entorno do estádio. O equipamento possui um sistema ecoeficiente, que reaproveita a água por meio de caixas de decantação e bombas, com economia média de 18 mil litros de água por dia.

A Cemig investirá, aproximadamente, R$ 28 milhões em empreendimentos de energia solar fotovoltaica dentro do Projeto Minas Solar 2014, como os estádios Mineirão  Mineirinho. As subestações Maracanã e Pampulha receberão novos equipamentos e serão ligadas ao Mineirão por mais de 11 quilômetros de rede subterrânea.

Fontes:

Cemig / agenciaminas.mg.gov.br

Veja também: Energia solar nos estádios da copa – Parte 2 – Arena Pernambuco

 

 

Veja também

     
    M_in_noticia