Castelão: Aço inox e pórticos treliçados

Com uma fachada impactante, onde foram utilizados 12 mil m² de chapas de aço inox, além da estrutura de pórticos treliçados, semelhante ao mastro de um barco à vela, a Arena Castelão foi a primeira obra da Copa a ser entregue.

Na Arena Castelão (Estádio Governador Plácido Castelo), em Fortaleza (CE), remodelada para receber os jogos da Copa 2014, a primeira a ficar pronta, o que mais se destaca é a sua bela fachada, na qual foram utilizadas 80 toneladas de chapas expandidas de aço inoxidável (12 mil m²) e, próximo à entrada principal, foram instalados 2,9 mil m² de vidro.

A estrutura de aço que une cobertura e fachada é composta por pórticos treliçados formados por tubos metálicos.

A opção pelo inox foi levada em conta por causa da durabilidade proporcionada, principalmente em áreas de atmosfera marinha, como a de Fortaleza, que necessitam de material resistente à corrosão. O aspecto estético também pesou na decisão, pois o material conferiu uma aparência moderna ao estádio. O projeto de reforma, ampliação e modernização das instalações do Castelão foi desenvolvido pelo escritório Vigliecca & Associados, de São Paulo.

A estrutura de aço da cobertura e da fachada é outra atração à parte. Composta por 60 pórticos treliçados feitos de tubos metálicos, em formato semelhante ao mastro de um barco à vela, com 50 m de altura e 25 toneladas cada, eles se posicionam a cada 14 m. Além de fornecerem um ar contemporâneo à arena, interagindo com os pórticos de concreto existentes, recebem parte dos esforços e absorvem as vibrações causadas pela torcida durante as partidas. Além disso, os pórticos servem de apoio aos tirantes que sustentam a cobertura, de telhas de aço galvanizado com isolamento termoacústico. Na extremidade interna da cobertura, telhas de policarbonato transparente vão contribuir com a iluminação natural.

Por sua complexidade, a estrutura passou por ensaio em túnel de vento no Instituto de Pesquisas Tecnológicas de São Paulo (IPT), com o objetivo de otimizar seu dimensionamento. E, como fica a uma determinada distância dos painéis da fachada, ela funciona também como um colchão de ar, permitindo que a brisa marítima se infiltre por este caminho, propiciando maior conforto térmico ao estádio.

Outro ponto importante da adaptação do estádio consistiu na aproximação da área em que ficam os torcedores nas cadeiras inferiores do gramado. Com a reforma, esta distância caiu de 40 m para apenas 10 m. Também foram realizadas mudanças nas cabines de imprensa, camarotes, vestiários, túneis de acesso ao campo e nas cadeiras do estádio, todas retráteis, entre outros pontos. Além disso, o estádio contará com um novo estacionamento para 1.900 veículos.

Os 60 pórticos têm 50 m de altura e pesam 25 toneladas cada, interagindo com a estrutura de concreto existente.
Houve ainda um cuidado, por parte dos arquitetos, em preservar algo do jeitão do antigo Castelão para deixar o torcedor cearense mais à vontade com a mudança. Esta premissa valeu para a parte interna do estádio. O anel superior foi praticamente mantido, mas houve a eliminação da pista de atletismo, que abriu espaço para um novo anel inferior. Esta operação aumentou a capacidade do estádio de 60 mil para 64 mil lugares. (H.M.)

Ficha Técnica

Projeto arquitetônico: Vigliecca & Associados;
Área construída: 162.600 m²; área da cobertura, 33 mil m²;
Aço empregado: aços com tensão limite de escoamento iguais ou superiores a 350 MPa;
Fachada em inox: Permetal Metais Perfurados (chapas expandidas em aço inox - 80t);
Volume de aço: 3.300 t;
Projeto estrutural: Pengec Engenharia e Consultoria e Projeto Alpha; Flávio d'Alambert (cobertura);
Fornecedor da estrutura de aço: Martifer;
Execução da obra: Galvão e Andrade Mendonça;
Local: Fortaleza, CE;
Data do projeto: 2008-2010;
Conclusão da obra: 2012.

 

Fonte:

Divulgação Vigliecca.

CBCA - 24/03/2014 | Notícia | Revista Arquitetura & Aço - Edição 37

 

 

     
    M_in_noticia