Casa na mata de 172 m² em estrutura metálica

Os clientes desejavam uma casa prática como um loft, um refúgio suave entre as árvores e uma praia em Camaçari, na Bahia

O uso de estrutura metálica permitiu a montagem de vigas e pilares em 2 dias. Com pouca alvenaria e grandes aberturas em vidro, a execução da casa foi concluída em apenas 6 meses

O estilo de vida descontraído dos proprietários determinou o projeto desta casa de 172 m², compacta, mas com espaços amplos e integrados. O terreno de 885 m² faz parte de um condomínio situado entre a praia de Busca Vida e uma mata nativa preservada no município de Camaçari, a 40 km de Salvador.

Segundo o autor do projeto, o paulista André Luque, os clientes desejavam uma casa simples e prática como um loft; um refúgio suave entre as árvores, capaz de propiciar o desejado descanso, longe da cidade grande onde trabalham todos os dias. Para agilizar a obra e enfrentar o desafio de preservar as diversas árvores nativas do terreno (uma das prioridades impostas pelos proprietários), o arquiteto sugeriu o uso de estrutura metálica, o que foi aceito.

Com um programa de necessidades convencional, mas reduzido, a casa foi implantada em uma clareira, com impacto mínimo sobre o terreno. Adeptos de espaços abertos, os proprietários preferiram um salão único na área social, com estar e jantar juntos e voltado para uma generosa varanda em L. Suíte, copa e cozinha, dependência de empregados, despensa, área de serviço e garagem complementam o programa.

Sistema estrutural

André Luque explica que o uso da estrutura metálica imprimiu velocidade à execução da obra, e a montagem de vigas e pilares foi concluída em apenas dois dias. Com poucos fechamentos em alvenaria e grandes aberturas em portas de correr de vidro, a execução da casa foi quase uma montagem de peças industrializadas e pôde ser concluída em apenas seis meses.

Como fundação foram usadas sapatas de concreto apoiadas diretamente na areia compactada, a 1,30 m de profundidade. Os pilares de concreto estão unidos aos metálicos por encaixe do tipo macho e fêmea, enquanto as demais partes da estrutura metálica foram soldadas.

A estrutura foi projetada em grelha metálica, com módulos de 4 m por 5,50 m, e apenas os quatro pilares metálicos da parte frontal da casa ficaram aparentes; os outros oito pilares estão encobertos pela alvenaria. “Com a cobertura da varanda em balanço e os fechamentos em grandes portas de correr de vidro, a casa, vista de frente, parece estar apoiada em paredes de vidro”, diz o arquiteto.

Acabamentos

Fixados na parte inferior da viga metálica da estrutura, trilhos de alumínio seguram as folhas de vidro das grandes portas de correr que medem 2,85 m do piso ao teto, e permitem que elas corram nos dois sentidos. Nas paredes de alvenaria, um corte horizontal no alto, propicia entrada de luz e ventilação cruzada permanente. Dois vidros paralelos, um preso na base e outro no topo, formam essa abertura, que é protegida por tela para evitar a entrada de insetos.

O fulget branco foi usado como revestimento do piso interna e externo, assim como na garagem. A varanda é um deque de cumaru, protegido por tratamento químico. No alto, o grande pergolado em balanço, também de cumaru, reduz a insolação na varanda e se encaixa na bandeja inferior da viga metálica. Como acabamento das paredes foi usada textura branca. A cobertura tem telhado de telhas termoacústicas de alumínio, com recheio de poliestireno e calha central.

A sala de estar está integrada à varanda e à vegetação nativa através das grandes portas de correr de vidro temperado. O deck e o pergolado feitos com a mesma espécie de madeira, o cumaru, parecem se espelhar. Internamente, o piso é em fulget branco

A varanda e o pergolado formam um L que abraça todo o espaço do living; o pergolado protege o interior do excesso de luminosidade

Cortinas brancas de voil garantem a privacidade. O pergolado de cumaru protege a casa da insolação, enquanto as grandes portas de correr em vidro conferem boa ventilação. A intenção do projeto foi promover a máxima integração entre interior e exterior. Na implantação, todas as árvores existentes foram preservadas

Trilhos de alumínio, conhecidos comercialmente como Sistema Stanley, sustentam as folhas de vidro das grandes portas de correr, que medem 2,85 m do piso ao teto, e permitem que elas se movam nos dois sentidos

O deck e o pergolado feitos com a mesma espécie de madeira, o cumaru, parecem se espelhar. Internamente, o piso é em fulget branco. O sistema de ventilação pode ser visto na parte superior da alvenaria: uma pequena abertura horizontal, protegida por dois vidros dispostos lado a lado (afastados 7cm m do outro), propiciam a ventilação cruzada. A abertura é protegida por tela, para evitar a passagem de insetos

O projeto de luminotécnica procurou valorizar a vegetação existente e destacar a estrutura metálica através de luminárias embutidas no piso

A iluminação valoriza o partido arquitetônico da casa e detalhes como o pergolado de madeira

Fonte:

Uol Casa e Imóveis

     
    M_in_noticia